fbpx
Escolha uma Página

O mercado da suinocultura no Brasil cresceu exponencialmente ao longo dos últimos anos.

Esse setor, além de impulsionar a economia nacional em 2020, a exportação da carne suína aumentou 48%, e o principal destino foi o continente asiático. 

Entretanto, muitas pessoas ainda não entendem a importância desse mercado para o Brasil. 

Você também pode se interessar:  ROBOAGRO na Globo

Sabendo disso, neste artigo, vamos falar sobre a história da suinocultura no Brasil e qual a sua importância para a economia. 

Continue sua leitura para entender tudo sobre o assunto!

 

História da suinocultura: onde tudo começou

 

O consumo da carne suína tornou- se um hábito entre os brasileiros, principalmente em datas comemorativas como o Réveillon mas hoje o consumo acontece em todo ano, estando presente em todas as refeições do dia. 

No entanto, esse costume é mais antigo do que imaginamos, e apresenta um significado muito maior para a história da suinocultura. 

Durante a dinastia Han na China (202 a.C até 220 d.C), os suínos eram vistos como símbolos de fartura, sendo considerados animais eternos. 

Já no Antigo Egito, os suínos eram usados para trabalhos pesados, como puxar o arado e até carregar materiais. 

Foi neste período, inclusive, que o porco ganhou a reputação de um animal que consome todo o tipo de alimento.

Isso porque eles andavam soltos pelas cidades à procura de restos de comida para se alimentar. 

Logo, a suinocultura surge no Brasil em 1530, quando as raças derivadas de javalis europeus foram trazidas por Martim Afonso de Souza, um militar da nobreza de origem portuguesa que realizava uma expedição colonizadora. 

A suinocultura no Brasil era baseada em um sistema extensivo, com raças que possuíam grande resistência à doenças. 

No entanto, o país teve que ressignificar o mercado e, atualmente, possui um dos maiores rebanhos do mundo, contando com diversas espécies.

 

Sistemas de produção

 

Hoje, os principais sistemas de produção existentes são o independente e o integrado/cooperativo.

No sistema independente, o produtor é responsável pelo processo de criação de suínos do início ao fim. 

Isto é, esse produtor toma todas as decisões de forma autônoma quanto à forma de obtenção dos animais, alimentação e estrutura da granja, comercialização dos animais e tudo que envolve a atividade.

No sistema de produção integrado, a responsabilidade é dividida. A integradora/cooperativa é responsável pelos animais, insumos, suporte técnico e comercialização dos animais, já para o produtor integrado entra com a estrutura/construção e com o serviço a ser praticado durante o lote conforme as orientações das cooperativas/integrações. Hoje esse sistema é o mais adotado em todo país.  

 

Cenário atual da suinocultura 

 

O Brasil ocupa a quarta posição no ranking mundial de produção e exportação de carne suína atualmente.

Isso se deve ao aumento do consumo da carne em 58% nas últimas duas décadas, que não só contribuiu para a expansão do mercado de exportação de suínos, como impulsionou acordos com diversos países do ocidente e oriente.

A tendência é que até 2050, o consumo da carne suína dobre, em virtude do crescimento populacional e aumento da exportação. 

Contudo, para isso, será necessário que o mercado da suinocultura no Brasil se adeque às novas tecnologias e ferramentas de gestão, que irão proporcionar indicadores de desempenho mais exatos e eficientes.

 

Leia também: ROBOAGRO no Canal Rural: Vantagens do robô alimentador de suínos

 

Entenda a importância da suinocultura no Brasil 

 

Se você ainda não está convencido que o mercado de suinocultura no Brasil é extremamente importante para a economia, então confira algumas vantagens desse setor: 

 

Vantagens da suinocultura 

 

  • A carne suína é a mais consumida no mundo;
  • O Brasil é o 4º maior produtor e exportador global; 
  • A carne suína é mais em conta e vantajosa se comparada a de outros animais;
  • Movimentação da economia nacional e global; 
  • A carne suína é rica em proteínas;
  • Diversos importadores de carne suína internacionais.

 

Como você pode melhorar 

 

Se você é o responsável pela supervisão e gestão de resultados das granjas, cooperativas e agroindústrias é essencial possuir indicadores que apresentem o processo, desde a gestação até a fase de terminação dos suínos. 

Mensurar a dieta, ganho de peso e estado dos animais proporciona uma noção de como eles vêm sendo tratados e como será o resultado em cada fase e durante a fase.

Existem ferramentas que podem te ajudar a não perder nenhum dado. 

Conheça o sistema de gestão da Roboagro, que oferece a opção de monitorar o desempenho do lote em tempo real. 

O custo de ração chega a representar 70% do custo da produção da carne suína. Que tal tem o controle e a precisão na sua mão? O robô entrega com precisão a ração conforme a necessidade de cada baia. 

E tudo isso controlado através do site ou aplicativo. 

Com controle de conversão alimentar, ganho de peso diário, mortalidade, estoque de ração no silo, controle do consumo de ração por baia, consumo de ração por animal e muito mais.

Saiba mais sobre o Roboagro, a tecnologia que revolucionou a suinocultura de precisão no Brasil e no Mundo. 

 

O robô alimentador de suínos já conta com mais de 500 unidades em operação no Brasil! Veja como o ROBOAGRO também pode facilitar o seu trabalho. Clique AQUI para saber mais!