Escolha uma Página

Cada vez mais as mulheres ocupam espaços e posições, considerando todos estados e atividades no campo, a exemplo da suinocultura, beneficiada por tecnologias de precisão   

A participação das mulheres nos negócios ligados ao campo, onde a suinocultura está inserida, é uma realidade, ocupando espaços e posições que, antes, eram dominados por homens. A quantidade de horas trabalhadas na administração das propriedades rurais demonstra sua força e comprometimento. Conforme dados da Pesquisa Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA), 78% do público feminino trabalha 8 horas ou mais por dia, considerando todos os estados brasileiros, culturas e rebanhos cobertos pelo estudo.

De acordo com o Censo Agropecuário 2017, quase 947 mil propriedades rurais são comandadas por mulheres no Brasil. A maior parte delas está localizada na região Nordeste (57%), seguida pelo Sudeste (14%), Norte (12%), Sul (11%) e Centro-Oeste (6%). Esse número representa 19% das 500,7 milhões de propriedades rurais brasileiras, havendo ainda diferença entre mulheres proprietárias e não proprietárias dos empreendimentos agropecuários. Mesmo com esse crescimento notável, os homens são responsáveis pela maior parte, gerindo 4,1 milhões de propriedades.

Entre as proprietárias, 50% das atividades econômicas estão relacionadas à pecuária e criação de outros animais; 32% à produção de lavouras temporárias e 11% à produção de lavouras permanentes. Enquanto entre as não proprietárias (produtoras sem área; concessionárias ou assentadas aguardando titulação definitiva; ocupantes; comandatárias; parceiras ou arrendatárias), 42% das atividades econômicas estão relacionadas à produção de lavouras temporárias; 39% à pecuária e criação de outros animais e 7% à produção de lavouras permanentes.

Em relação ao território nacional, juntas, as mulheres administram cerca de 30 milhões de hectares, o que corresponde a 8,5% da área total ocupada pelos estabelecimentos rurais no país. Apesar dos dados mostrarem uma diferença grande entre homens e mulheres, se comparado com o Censo Agropecuário anterior, realizado em 2006, o crescimento da participação delas no agronegócio foi de 6,3%. No Rio Grande do Sul, a liderança feminina também é observada, passando de 9% para 12%.

 

Novas tecnologias da suinocultura chegam às mãos femininas 

      

Quando o tema envolve a suinocultura, os números chamam ainda mais atenção, onde o Brasil, no ano passado, alcançou a terceira posição mundial na produção, com 41 milhões de cabeças, ou seja, 4,4% do total. O destaque é a China com 41,1% do rebanho mundial, seguida dos Estados Unidos (8,4%). Santa Catarina é considerado o estado maior produtor e exportador de carne suína nacional. Novas tecnologias têm determinado transformações e alcançado benefícios aos produtores – ou produtoras rurais –, a exemplo da Inteligência Artificial; a impressão 3D que oferece a oportunidade de imprimir partes ou peças de máquinas ou equipamentos, permitindo economia de tempo ao produtor rural na espera pela entrega ou reparo; a robotização e o sensoriamento. Essa tecnologia proporciona o monitoramento do desempenho dos lotes, o consumo de ração, a saúde animal e o entendimento exato do que está acontecendo em tempo real.

Tais avanços também chegaram às mãos femininas, que apesar de terem a consciência sobre a predominância masculina nos campos, não se intimidam quanto à tomada de decisões ou disposição para tarefas reconhecidamente ‘pesadas’. “Desafios surgem no percurso, mas nunca os encarei como dificuldade”, atesta Ivete Maria Lorenz, que atua há 40 anos na propriedade Boschi & Lorenz, localizada na comunidade de Linha Itapé, em Saudades (SC). Da produção inicial de fumo, leite e atividades na lavoura, a suinocultura ganhou espaço há 16 anos com o trato de 300 animais. Hoje, já totalizam 1.620. A evolução foi possível a partir dos avanços da suinocultura de precisão, influenciando desde a genética até a qualidade da carne animal. “Adquirimos dois robôs alimentadores de suínos que otimizaram nosso tempo para desempenhar outras atividades, deixando os lotes muito mais uniformes por meio do controle de quantidades, horários e qualidade das rações distribuídas”, revela.   

Apesar de ter se rendido aos benefícios da robotização, há pouco mais de duas semanas, Márcia Pyl Alberti, uma das proprietárias do Canto do Sabiá, em Rebouças (PR), compartilha com Ivete. “Dispomos de ferramentas que facilitam nosso trabalho, o que contribui para investirmos em melhorias, como a reforma e ampliação de um dos barracões”, afirma Márcia, que tem a expectativa de adquirir outro robô, em 2022. O equipamento foi desenvolvido pela Roboagro, de Caxias do Sul, e acaba se refletindo no aumento da qualidade da carne suína, gerando economia que pode superar os R$ 95 mil por ano em granjas de médio porte, com média produtiva de mil animais por lote. “O aumento do custo dos insumos, como milho e soja, forçou as cooperativas e agroindústrias a ajustarem as suas granjas para aplicar o conceito da suinocultura de precisão. Nos comedouros à vontade há muito desperdício, além de não haver nenhuma possibilidade de gestão e informação para o suinocultor. Já o robô oferece a oportunidade do criador ajustar a sua produção conforme as variações do mercado e dos custos dos insumos, isso deixa a carne produzida aqui bem mais competitiva frente a outros mercados”, explica Giovani Molin, diretor da Roboagro. Auxiliar de laboratório em uma farmácia de manipulação em Ponta Grossa (PR), Márcia Pyl Alberti se interessou em dividir a propriedade rural com o esposo, quando seu pai questionou-a sobre a possibilidade de trabalhar na cultura de suínos. Desde então, passaram-se 12 anos, dos quais ela não se arrepende. “Existem algumas atividades que se tornam mais difíceis por exigirem maior força física, mas, graças a Deus, sempre dei conta. Nunca deixei de realizar nada necessário em uma granja e sou muito feliz pelo o que faço”, orgulha-se.

Francielle Ribas dos Santos possui sentimento semelhante ao destacar que, hoje, não conseguiria atuar em outra área que não fosse a suinocultura. Uma atividade que começou quase por acaso, em 2017, quando o sogro, produtor de suínos, adoeceu dois anos antes, condicionando que ela e o esposo assumissem a propriedade Chácara São José, localizada em Piraí do Sul (PR). “Ele tinha um barracão com 900 suínos, porém todo o trato era manual. Quando a Schoeller Agro, empresa para a qual trabalhamos atualmente, oportunizou a experiência do robô alimentador de suínos na nossa granja, em período de testes, nos certificamos sobre as vantagens que a suinocultura de precisão pode oferecer. Construímos mais um barracão, com capacidade para 750 cabeças, já adequado para receber o robô”, disse. A tecnologia aplicada expandiu os negócios da chácara, que conta com 1,6 mil suínos e está se preparado para receber mais 200. “A robotização direcionou o serviço nos barracões, nos dando condições para acompanhar outras tarefas”, salienta.     

O que esperar do futuro: a mulher e o agronegócio

O avanço feminino no agronegócio nacional, nos últimos anos, é perceptível também em cargos de gerência, devendo-se à facilidade para absorver novas tecnologias e o fato de grande parcela de mulheres possuir curso superior, além de encarar a lida no campo como carreira. No entanto, mesmo com os números animadores, ainda existe espaço para melhorias. Outro ponto importante é que as elas acabam tendo que desempenhar funções diárias conjuntas, equilibrando atividades como proprietárias, administradoras, mães e donas de casa.

De acordo com um estudo feito pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), 71% do público feminino ligado ao agronegócio tem múltiplas responsabilidades. Esse percentual se mostra mais relevante quando comparado ao cenário histórico sobre o segmento em décadas anteriores. A luta pela construção de um espaço igualitário no mercado de trabalho evidencia resultados, que começam a ganhar força à medida que as mulheres estão conseguindo quebrar, gradativamente, diversas barreiras.