fbpx

Robotização na suinocultura de precisão propicia melhora na qualidade e aumento da produção

A robotização no trato dos animais com uso de robôs é a prática que entrega o maior retorno imediato ao produtor

Artigo escrito por Giovani Molin, diretor da Roboagro com MBA em Gestão Empresarial pela FGV

A suinocultura nacional vislumbra um cenário favorável no horizonte. As primeiras projeções do mercado para 2020 mostram um crescimento de pelo menos 4% na produção de suínos. Além disso, a crise global no setor de proteína animal provocada pela Peste Suína Africana (PSA), na China e na Europa, deve seguir puxando as exportações neste ano. Neste cenário, a cadeia produtiva se volta para a necessidade de aumentar a sua produção, a fim de aproveitar as oportunidades. Porém, mesmo com um mercado em aquecimento, os custos de produção com alimentação ainda se mantêm altos e afetam todo o processo produtivo, em especial na fase de crescimento e terminação dos lotes de suínos.

Um dos grandes desafios deste processo está na dificuldade de acompanhamento do programa estipulado pelas equipes técnicas, já que os resultados da produção, na maioria dos casos, são conferidos apenas ao final do lote, quando este está fechado e oferece pouca possibilidade de otimização, tampouco de correção de falhas que prejudicaram o pleno desenvolvimento. Além disso, esta forma de organização oferece poucas informações sobre o processo produtivo, apurando apenas os principais índices de produção (mortalidade, consumo de ração, GPD, Conversão Alimentar, entre outros) no fechamento do lote.

Este não é um panorama novo, várias áreas da cadeia produtiva já enfrentaram este desafio. Na agricultura, por exemplo, produtores vêm adotando desde a década de 1990 ferramentas e tecnologias que possibilitam conhecer de maneira completa toda a área disponível para cultivo, a partir de mapas de produtividade. Adotando técnicas para correções de desuniformidades nas lavouras, aumento de quantidade e qualidade da produção, se evita perdas e gargalos de produção, a chamada agricultura de precisão. Práticas semelhantes passaram a ser utilizadas também no campo da zootecnia na última década. Assim como nas lavouras, chegou a vez das granjas adotarem o aprimoramento das atividades cotidianas de nutrição e cuidados com a sanidade e o bem-estar animal, a partir do monitoramento em tempo real do manejo.

Robô Alimentador de Suínos

Dentro da suinocultura de precisão, o abastecimento de água e a distribuição de ração são pontos cruciais para o produtor e áreas onde a robotização tem mostrado grandes resultados no aumento da produtividade. Entre os principais benefícios estão a eliminação de desperdícios e o controle de qualidade dos lotes, tendo como vantagens adicionais a qualidade da carne e maiores retornos financeiros. Sem falar de pontos cruciais na suinocultura, como bem-estar animal e sanidade.

Dentre o conjunto de técnicas que podem ser utilizadas na suinocultura de precisão, a robotização no trato dos animais com uso de robôs é a prática que entrega o maior retorno imediato ao produtor. Ao utilizar esses sistemas para este fim, é possível ter o controle total e em tempo real da alimentação dos suínos, com a garantia da quantidade correta em cada baia/trato ao longo do dia, da precisão no volume de ração distribuída em cada baia. Tudo isso organizado em informações gerenciais para a tomada de decisão do produtor e/ou da equipe técnica.

Além disso, esse tipo de sistema oferece ganhos pontuais que se refletem não só no aumento de produtividade da granja, mas na qualidade do produto final. Como:

  • Uniformidade de carcaças através da distribuição uniforme de ração ao longo do comedouro;
  • Entrega silenciosa e pontual da ração na hora programada, evitando o estresse animal;
  • Bem-estar animal através da distribuição linear de ração, evitando a competição entre os suínos e a ação dos predominantes;
  • Tratamento menos ruidoso e com música clássica, proporcionando um comportamento estável aos suínos e um melhor desempenho;
  • Redução do índice de mortalidade por torção e outros fatores sanitários.
  • Controle e rastreabilidade da ração distribuída em cada trato, facilitando a análise individual de cada distribuição.

Mais ganhos

Ganhos que se refletem em uniformidade de carcaças, carne de melhor qualidade e, principalmente, uma melhor conversão animal e melhor GPD, aumentando os resultados para o produtor, além de melhorar a competividade e ganhos para o criador.

Por fim, na outra ponta do sistema, está a possibilidade de pensar o processo de manejo como um todo. Ao integrar de forma rápida os relatórios fornecidos pelo sistema robotizado com softwares de gerenciamento de produção específicos para a suinocultura, tais como a plataforma S4 da Agriness, é possível agir de forma preventiva em gargalos de produção e no controle do bem-estar animal, prevendo e tratando comportamentos indesejados dos suínos e possíveis quedas de rendimento do lote antes que estas cheguem ao destino final.

Assim como ocorreu na agricultura de precisão, na suinocultura atual é impossível falar de ganhos e aumento de produtividade dos lotes sem adesão a esses sistemas e a essa nova forma de gestão. A próxima década será uma era de mudanças, em que o resultado final estará atrelado ao nível de inovação empregado na produção, tornando obsoletas práticas e tecnologias que estão sendo empregadas há pelo menos 20 anos. O mercado precisa estar atento às inovações que estão surgindo a favor da suinocultura brasileira. A suinocultura de precisão não é mais o futuro, é o presente.

Fonte: O Presente Rural

Saiba mais sobre o Roboagro

WhatsApp chat